Skip to main content

Kris McCray - O mais casca-grossa do TUF

Por Thomas Gerbasi

 

  

No primeiro ano da carreira de Kris McCray no MMA profissional, ele lutou cinco vezes, vencendo todas elas primeiro assalto. Três foram concluídas em menos de um minuto.     

    

Mais de seis semanas na temporada mais recente do The Ultimate Fighter, McCray dobrou sua experiência, lutando cinco vezes no TUF, vencendo quatro e em três delas fazendo três rounds. Sua prova de fogo lhe rendeu um lugar no combate final de sábado contra o Court McGee, bem como um merecido lugar em um mítico Hall of Fama de cascas-grossas.     

    

"Foi uma loucura, porque em toda a minha carreira profissional, eu tinha cinco lutas", McCray disse com uma risada. "Mas eu estava pronto, porque eu tinha essa mentalidade que, mesmo que meu corpo não esteja lá, eu vou dar meu máximo porque é para isso que ele foi construído. O corpo é construído para se adaptar e superar. Se você não tem coração e sua cabeça não está nele, você vai quebrar".     

    

McCray nunca quebrou. Mesmo quando perdeu sua primeira apresentação na casa para Josh Bryant, ele manteve a cabeça erguida, continuou trabalhando, e quando a primeira luta de um card para lá de intenso foi escolhida, uma segunda chance foi dada. Ele se aproveitou do momento e finalizou Kyacey Uscola. Então, em seguida, bateu de frente com os favoritos Kyle Noke e o homem que o derrotou no início da competição, Bryant. E mesmo sem fazer lutas bonitas, McCray deixava a impressão que você realmente precisa ter algo a mais para vencer, porque ele não vai sair dessa tranquilamente.     

    

"Eles estavam me chamando de Jason de Sexta-Feira 13. (Risos) Não importa quão rápido você corre, boom, lá está ele novamente. Mas eu sou um cara duro, eu já passei por muita coisa e se ele respira, ele sangra. Eu sou o tipo de cara que vou até o fim e eu estou lá até que alguém me pare".     

    

McCray credita este espírito de luta a seu pai, um homem de carreira militar, e seus irmãos Dominique e Thomas ("Eles foram meus parceiros de treino em primeiro lugar", ele ri. "Nós definitivamente tivemos vários momentos divertidos".). Ele também teve que aprender a lidar com problemas ainda muito jovem.     

    

"Eu tive várias situações ruins por ser um garoto com dupla nacionalidade", disse McCray, que cresceu na Alemanha e em Alabama. "Eu era pequeno, mas eu tinha um ego".    

    

Ele também teve que aprender sobre responsabilidade, quando se tornou pai aos 15 anos.     

    

"Foi definitivamente surpreendente", ele disse. "Eu consegui um trabalho no dia seguinte em uma mercearia como ensacador e foi uma batalha constante. Eu tinha 15 anos com muita responsabilidade e eu tinha que dar conta".    

    

Enquanto tudo isso acontecia, McCray encontrou tempo para o wrestling na escola antes de ir para Nova College e, em seguida, o Exército Reservista dos Estados Unidos. Em 2006, ele estava lutando no circuito de MMA amador, e em 2008, ele fez sua estréia profissional. Cinco lutas depois, ele entrou para o Ultimate Fighter em sua terceira tentativa nas seletivas do show e após cinco lutas, ele precisa de uma vitória para o contrato com o UFC. Mas não espere ele elogiar a si mesmo por esta realização, em vez disso, ele fala da sua equipe, sua mãe preparando refeições até que elas se encaixassem em sua dieta, de seus irmãos e das pessoas dando carona para a academia quando ele precisava. Em outras palavras, seu sucesso é um esforço de equipe.     

    

"É difícil ser um bom lutador", disse um de 28 anos de idade. "Você precisa ter pessoas boas ao seu redor, precisa de apoio e precisa de pessoas ajudando e cuidando de você".     

    

Esse cuidado o traz para Las Vegas e para uma luta com o igualmente duro Court McGee, uma luta que promete ser dificílima para ambos os lutadores.     

    

"Eu acho que a raça vai falar mais alto", disse McCray. "Nós fazemos algumas das mesmas coisas - nós não jogamos muitas combinações de três socos, é 1-2 e, em seguida, um diretasso. Eu gosto de dar joelhadas no clinch e uppercuts e socos no corpo. Eu quero trocar no clinch, e ele vai querer encontrar a distância, ambos temos bom wrestling e estamos determinados e com força de vontade, não temos qualquer desejo de pedir para parar, e eu acho que vai ser uma batalha. Eu acho que vai ser no estilo de Stephan Bonnar vs. Forrest Griffin e espero que possamos obter os contratos".     

    

E se aprendemos alguma coisa sobre Kris McCray durante a última temporada do The Ultimate Fighter, é que ele não vai a lugar algum sem uma luta.     

    

"A vida bate em você mais do que qualquer outra coisa", ele disse. "Como você se levanta dos golpes dela é o que determina o vencedor".