Skip to main content
/themes/custom/ufc/assets/img/default-hero.jpg

Contagem regressiva para o UFC 200: as melhores entradas

Relembre alguns dos atletas mais engraçados e intimidadores na entrada do octógono

É um ritual que tem cativado os fãs há decadas, a entrada desde o vestiário até o octógono. Para alguns lutadores, é hora de ligar a ignição e se preparar para a batalha, enquanto outros o usam para entreter os fãs e mostrar diferentes aspectos de suas personalidades. De qualquer jeito, são alguns minutos nos quais o palco pertence apenas ao lutador, e aqui estão 20 exemplos de quem fez melhor uso deles.

20 - Tom Lawlor

As antigas entradas de Tom Lawlor no octógono eram performances bizarras, e é difícil escolher apenas uma para a lista. Enquanto muitos lembrarão da hilária imitação de Hulk Hogan com a música “Real American”, eu escolho a entrada no UFC 100, com “Who Let the Dogs Out?”, quando ele levou seu amigo, e também lutador do UFC, Seth Petruzelli, por uma coleira.

19 - Stephan Bonnar

 

A música “Emincente Front”, do The Who, não é uma típica música para entrar, nem uma típica música que você escolhe no catálogo da banda para esse propósito, mas Stephan Bonnar certamente escolheu bem, pois definitivamente ajudou no clima para a luta.

18 - Wanderlei Silva

 

Nunca fui fã de música eletrônica e, aos 47 anos, certamente não sou fã hoje em dia, mas sempre que estou em algum lugar e “Sandstorm” do DJ Darude, começa a tocar, eu dou um sorriso e digo “Essa é a música do Wanderlei”. Certamente perdi um pouco da minha audição com essa música, e da visão, com as ofuscante luzes que a acompanham, mas sabendo que eu veria o “Cachorro Louco” lutar seria uma recompensa.

17 - Rodrigo Minotauro

Pessoalmente, juntar um dos meus lutadores favoritos com uma das minhas músicas favoritas é uma vitória. Um dia terei que perguntar à essa lenda do Pride e do UFC porque ele escolheu “Gimme Shelter”, dos Rolling Stones, como sua música de entrada para tantas lutas, mas, enquanto isso, é só relembrar e aproveitar ao som de Mick Jagger, Keith Richards e companhia.

16 - Brock Lesnar

Você não consegue entender realmente o quão grande Brock Lesnar é até vê-lo ao vivo e, na noite da luta, é ameaçador para um adversário ouvir “Enter Sandman” do Metallica, e depois ver Brock Lesnar saindo do vestiário. O ex-campeão peso-pesado do UFC não teve uma longa carreira, mas toda vez que ele entrava com essa música era bom de se ver.

15 - Michael Bisping

 

Sempre achei o peso-médio Michael Bisping mais com cara de Oasis do que de Blur, mas quando você ouve os primeiros acorder de “Song Two”, do Blur, você sabe quem está chegando. Como muitos lutadores nesta lista, ele fez a música seu cartão postal.

Receba as novidades do UFC no WhatsApp! Basta mandar um "olá" para (11) 94559-5935!

14 - Jon Jones

Ele mudou desde então, mas nas primeiras lutas de Jon Jones no UFC, “Angry Johnny”, do Poe, era sua música de entrada. Gosto de muitas escolhas ecléticas de Jones em suas músicas, mas será que posso pedir para voltar à essa em sua luta com Daniel Cormier no UFC 200?

13 - Mirko Cro Cop

A típica música de entrada de Cro Cop era “Wild Boys”, do Duran Duran, mas, em sua estreia no UFC em 2007, ele deixou ela de lado e fez uma homenagem à sua antiga organização, entrando com a música tema do Pride, escrita por Yasuharu Takanashi. Naquela noite, se você acha que o público estava empolgado antes, ao ouvir as primeiras notas da música, o Mandalay Bay entrou em erupção.

12 - Yoshihiro Akiyama

Se você nunca viu Yoshihiro Akiyama entrar com “Time to Say Goodbye”, de Andrea Bocell e Sarah Brightman, você perdeu uma das melhores - e mais atípicas - entradas de todos os tempos. É muito boa, muito estranha e muito boa. Eu disse que é boa duas vezes? É porque é mesmo.

11 - Joseph Benavidez

“Stranglehold”. Ted Nugent. Preciso dizer mais?

Mais UFC 200: Maiores surpresas da história | Clima esquenta entre Cormier e Jones | Filme conta história de Zé Aldo | Aldo promete recuperar cinturão | Miesha e Amanda trocam promessas  | Velasquez pretende evitar lesões |  Holly na torcida por Miesha | Amanda revela plano para driblar cansaço em Las Vegas | Cat Zingano encara Julianna Peña

10 - Dan Hardy

A afirmação mais nacionalista possível, “England Belongs to Me” (A Inglaterra Me Pertence), da banda Cock Sparrer é uma música que parece que foi escrita para o inglês Dan Hardy. E ele fez com que ela se tornasse impossível de esquecer. Ele até cantou com a banda em uma regravação.

9- Tito Ortiz

Na época, o evento de MMA mais aguardado era o UFC 40, e quando o campeão meio-pesado Tito Ortiz entrou com “Break Stuff” do Limp Bizkit, foi só pompa e circunstância, com lasers e pirotecnia. Se você disse que não ficou empolgado para a luta contra o Ken Shamrock vendo essa entrada com Tito cantando a frase “Give me something to break” (Me dê algo para quebrar), você está mentindo.

8- Matt Hughes

“A Country Boy Can Survive”, de Hank Williams Jr., é mais uma daquelas músicas que são sinônimo de um lutador, que, nesse caso, é o duas vezes campeão meio-médios e membro do Hall da Fama do UFC, Matt Hughes. Mas, além da escolha musical de Hughes, o que fez de suas entradas memoráveis é que, ao pisar no octógono, ele encarava seus adversários com um olhar que dizia “você nem deveria estar aqui comigo, e está prestes a saber por quê”. Na maioria das vezes ele estava certo.

7- Cat Zingano

Se você me perguntasse qual era a música de entrada da Cat Zingano em sua estreia no UFC contra Miesha Tate, eu não saberia dizer sem pesquisar (só para registrar, é “You’re Going Down”, do Sick Puppies). Mas se você me perguntar da entrada em si, foi inesquecível. Lutar é o sonho de todo lutador, mas, se você é uma mulher, é um sonho que muitos pensavam que nunca se realizaria, até que elas chegaram ao octógono em 2013. Ver Zingano se emocionar naquele momento foi ótimo e fez o mundo perceber o quanto estar lá significa para um lutador profissional.

6- Ronda Rousey

Alguns lutadores preferem não mandar recados com suas músicas de entrada, mas não Ronda Rousey, que confirmou o que as pessoas pensavam dela com “Bad Reputation” da Joan Jett. Grande música + grande lutadora = mistura perfeita.

5- Mark Hominick (antes de José Aldo)

Por um tempo, parecia que todo mundo estava entrando para uma luta com “Coming Home”, de Diddy e Skylar Grey. Mas quando Mark Hominick usou a música pela primeira vez em sua cidade natal de Ontario, no UFC 129, foi a escolha perfeita, especialmente com 55 mil fãs que enlouqueceram ao vê-lo entrando para enfrentar José Aldo pelo cinturão peso-pena.

4- Royce Gracie

Você pode colocar essa na categoria “não precisa de música”, e está certo. Quando Royce Gracie entrava no octógono, ele não era um lutador sob os holofotes, ele tinha os membros de sua família em fila, com as mãos nos ombros uns dos outros, caminhando juntos como se fossem invencíveis. Assistir aquilo era poderoso, principalmente para os que enfrentariam essa lenda do jiu-jitsu em alguns minutos.

3- Jeff Monson

Jeff Monson não tirou o título dos pesos-pesados do UFC de Tim Sylvia no UFC 65, em novembro de 2006, mas eu acredito que mais gente se lembra da entrada dele com “Imagine” do John Lennon, do que da luta. Enquanto ela está longe de ser o tipo de música com a qual se entra, Monson garantiu com que nenhum dos que escutaram jamais se esquecesse.

2- Chuck Liddell

Por anos, “Intro” do DMX, foi a música de Chuck Liddell. Em abril de 2009, depois de o atual membro do Hall da Fama do UFC perder três de suas quatro últimas lutas, ele decidiu mudar. O resultado? “Raining Blood”, do Slayer, explodiou nas caixas de som do Montreal Bell Centre enquanto o “Iceman” se preparava para enfrentar Mauricio Shogun, e admito que isso me arrepiou. Em 2013, perguntei a Liddell sobre a mudança, e ele me disse “Tínhamos usado DMX por muito tempo, e eu amo Slayer, e sabia que estava chegando ao final da minha carreira, então queria entrar com Slayer ao menos uma vez. Além disso, eu estava tentando dar a volta por cima, então resolvi mudar”. Ele não venceu, mas deixou muitos de seus fãs contentes naquela noite.

1- Kenny Florian

Outro lutador com quem conversei sobre a música foi Kenny Florian e sua entrada para enfrentar Sean Sherk no UFC 64. “Ele é um cara que tinha muita experiência, era um dos melhores do mundo nos meio-médios e estava descendo para o peso-leve”, Florian disse sobre Sherk. “Eu tinha apeans uma luta no peso-leve, iria enfrentar esse monstro, e tive a sensação de ‘Acho que não vou sair vivo daqui’. Estava pronto para dar tudo de mim e estava preparado como um samurai. Essa era minha cabeça indo para aquela luta. Sempre adorei os antigos filmes de faroeste com Clint Eastwood, então escolhi aquela música como música de entrada, e fui como um samurai. Sempre me vi fazendo algo assim em algum momento da minha carreira, se eu tivesse a chance de lutar no UFC”. Vestido com uma armadura de samurai, Florian marchou pelo público enquanto “Ecstasy of Gold”, de Ennio Morricone (do filme “Três Homens e Um Destino”) tocava, e foi, sem dúvida, na minha cabeça, a melhor entrada na história do UFC. Existem bons argumentos para as outras, mas não ficarei balançado.
Assine o Combate | O canal do UFC no YouTube | Visite a UFC Store | Baixe o aplicativo do UFC