Skip to main content

'Rampage' Jackson - Não vai deixar pedra sobre pedra

 

 

Por: Thomas Gerbasi

 

"Eu não sei o que é que atrai as pessoas para ele. Talvez seja apenas a sua energia e toda sua personalidade. Todo mundo quer ser um cara durão. Ele acaba com as pessoas..."   

      

A citação acima vem da boca de Quinton 'Rampage' Jackson falando sobre o apelo do personagem que ele interpretou no filme 'Esquadrão Classe A', Bosco Albert 'BA' Baracus. Mas olhando um pouco melhor, Jackson pode estar falando apenas dos motivos pelos quais os fãs em todo o mundo o têm como ídolo.    

      

Energia e personalidade? Sim   

      

Casca-grossa? Sim   

      

Acaba com as pessoas (adversários)? Sim    

           

Então nem é preciso acrescentar que depois de se afastar do octógono por mais de um ano para as filmagens da décima edição do TUF, para o Esquadrão Classe A e para curar algumas lesões, Jackson volta neste sábado para a luta considerada pessoal contra Rashad Evans no que definitivamente foi um período que todos sentiram muito sua ausência. Então, o que o nativo de Memphis fez enquanto estava afastado?    

      

"Nada, isso é como um homem saindo de férias e dizendo: 'Eu não posso esperar para voltar e ir trabalhar'". Jackson diz. 

      

Ele tem uma opinião, mas para ele a luta não tem sido só um trabalho, tem sido um modo de vida. E dessa vez ele não tem do que reclamar do quão duro treinou, uma vez que a luta é contra um atleta que ele realmente não gosta, 'Sugar' Evans.    

      

"É a coisa mais louca - eu nunca estive tão motivado em minha carreira", ele disse. "Desta vez eu realmente quero dar o meu máximo e se eu não gostar do máximo que fiz, estarei pronto para fazer mais. Eu nunca fui assim na vida, e isso está impressionando meus treinadores e meus empresários e me impressionando também. Estou muito motivado."    

      

A motivação tem sido fácil de encontrar, já que as provocações entre os dois meio pesados chegaram ao auge no The Ultimate Fighter. Jackson nunca evitou isso - verbal ou fisicamente - e não está surpreso com Evans escolhendo a ofensiva nessa situação.   

      

"Rashad é o tipo de cara que precisa de alguém para mirar", disse Jackson. "Rashad e eu, nós lutamos por razões diferentes. Ele provavelmente luta para ser famoso - ele quer a fama, e ele gosta de atenção. Eu luto para pagar as contas e cuidar dos meus pais e da minha família, e assim eu posso viajar o mundo e fazer as coisas que eu quero fazer. Essa é a razão pela qual eu luto. Portanto, não é surpreendente para mim que alguém como Rashad fique nessa de falar, de dizer tudo para conseguir algum destaque. Na realidade, essa não é a real - ele apenas está tentando ficar famoso. Mas, ao mesmo tempo, ela me irrita e isso está me motivando cada vez mais. O que impressiona é ele falar que eu que comecei com essas provocações."    

      

O que realmente impressiona é quantas vezes essas provocações ficaram realmente sérias. Jackson sempre foi o rei nesse tipo de coisa, principalmente na organização japonesa Pride, e enquanto ele provavelmente não tem nenhum tipo de contato amigável com seu antigo rival, Wanderlei Silva, na maioria das vezes, aquelas provocações de Jackson sempre tiveram um tom de brincadeira. Mas não desta vez.    

      

"Quando eu faço isso, eu só faço isso para aumentar o entretenimento", disse Jackson. "Eu não faço isso para atacar pessoalmente alguém sobre suas derrotas e o que eles fazem. Ele (Evans) tenta trazer a luta (que Jackson perdeu por nocaute técnico em 2005) contra o Shogun (Rua), dizendo que não tenho raça. E ninguém que realmente tem me acompanhado diria isso, eu sou conhecido por não desistir. Então, ele está dizendo coisas aqui e ali e tentando encontrar algo para me ferir, ele gosta de falar sobre minha derrota para o Forrest (Griffin em 2008), e essas são coisas realmente pessoais. Então, eu estive falando sobre como ele perdeu para (Lyoto) Machida (em 2009), e não quero ouvir isso porque foi uma das derrotas mais terríveis da história do MMA."    

      

E apesar de todos os ataques verbais, Evans é o único homem que separa Jackson de encontrar os atletas que o derrotaram nos últimos cinco anos.    

      

"É estranho", disse ele. "Algum dia eu vou acordar e dizer 'eu não quero esse maldito cinturão, esqueça isso. Eu nem quero mais lutar'. Mas dias depois eu fico tipo, 'eu quero acabar com esse cara, eu quero fazer isso'. Estou muito indeciso sobre isso. Mas agora que o Shogun pegou o cinturão, eu estou pensando que o Shogun é um dos caras que assombra minhas lembranças, e agora eu quero o cinturão de volta e é como matar dois pássaros com uma pedra. Me vingo e pego o cinturão de volta. E quando eu fizer isso, eu quero lutar contra o Forrest".    

      

Se ele alcançar esse feito, bater Evans, Shogun e Griffin, vai se consolidar talvez como o melhor lutador até 93kg. Ele já está nesse bolo, considerando os adversários que ele derrotou no Pride como Igor Vovchanchyn, Murilo Bustamante, Chuck Liddell, Ricardo Arona e Murilo 'Ninja' Rua, e as vitórias no UFC sobre Liddell, Dan Henderson, Wanderlei Silva e Keith Jardine. De fato, se você olhar para a estréia dele no PRIDE em 2001, contra Kazushi Sakuraba, alguns dos lutadores que estavam bem naquela época já não são tão relevantes assim como Jackson é atualmente, pode ser algo relativo a 'personalidade Rampage'.   

    

"Eu realmente não me importo se as pessoas não me valorizam como deveriam, eu não estou aqui para isso", ele admite, estando mais voltado para lutar e vencer, e tem planos de fazer isso no sábado, contra o Evans. E para toda a rivalidade e provocação, Jackson entra na luta deste fim de semana com uma calma assustadora. Sim, ele está com raiva, mas a raiva o levou a treinar de forma mais inteligente e mais dura para seu adversário, que ele admite respeitar.    

      

"Você tem que respeitar todo mundo que treina duro como fazemos e entra no octógono. Quando lutei com Forrest eu não o respeitei em tudo e eu não treinei direito e isso me custou caro. Então sim, eu o respeito. Sei que ele é um bom wrestler e que ele é rápido. Então eu fui fazendo as coisas certas - eu venho treinando com sparrings menores e mais rápidos, treinando com grandes caras que socam forte e treinando com wrestlers de renome mundial."    

      

Agora tudo que resta é a luta. Então, vamos começar o alvoroço (Rampage).