Skip to main content

Rafaello 'Trator' Oliveira - O destino o espera

Por Martins Denis    

 

Dizem que se você trabalha bem e planeja direito, você terá sucesso no que quer que você deseje para sua vida. A execução planejada dos seus objetivos evita problemas inesperados e, caso os problemas apareçam, você consegue lidar com eles de forma mais sábia.   

 

Rafaello 'Trator' Oliveira, o brasileiro que irá encarar, pelo peso leve, o vice-campeão do TUF 8 Andre Winner, nesta quarta-feira, tem levado a sua vida de acordo com esse padrão.   

   

Olhando para o futuro, mas calculando cada passo dado, Rafaello lutou cinco vezes no Brasil antes de se mudar para os EUA. Sua intenção era a de usar suas lutas na cena brasileira como base para conquistar melhoras condições de treinamento e luta e, como resultado, uma vida melhor para sua família - uma mulher e dois filhos que ficaram no Brasil.   

 

"Eu sempre planejei ser o melhor como lutador," disse ele, em coro com todos os atletas de esportes de combate. "Mas os seus objetivos dependem do tamanho dos seus desejos e o meu sempre foi dar conforto para minha mulher e meus dois filhos. E ainda não estou satisfeito, pois nunca podemos parar de sonhar. Agora desejo colocar meu nome entre os melhores do UFC".   

 

A jornada de sucesso que Rafaello ainda está buscando foi quase interrompida há três anos quando, em sua quinta luta, ele encarou o brasileiro Vítor Pimenta, um representante da Brazilian Top Team. Para um lutador do nordeste do Brasil como Trator, encarar um cara que representava um dos times mais famosos de MMA do mundo era uma chance de conquistar o que ele não tinha tido até então - atenção. A dureza da luta e os momentos difíceis que ele passou pareciam que iam interromper seus planos, mas seus objetivos eram maiores e ele conquistou um nocaute técnico no segundo round.  

  

"Depois daquela vitória só colhi coisas boas na minha vida. Consolidei minha carreira e vim para os Estados Unidos. Eu já havia recebido propostas para vir para Miami antes daquela luta, mas foi ela que me colocou no mapa.   

 

"Eu era conhecido em Pernambuco, mas o foco do MMA no Brasil fica no Sul e no Sudeste, então, se eu não tivesse derrotado o Vítor Pimenta ou vindo para os EUA, provavelmente ainda estaria no Nordeste. Infelizmente, as portas são fechadas para lutadores da minha região, em um país onde o foco é o futebol".   

 

A derrota e consequentemente a quebra da invencibilidade em sua segunda luta fora do Brasil, para Lyle Beerbohm no ShoXC, em outubro de 2008, não abalou Rafaello. Para ele, o resultado negativo faz parte do trabalho e nem sempre o melhor lutador vai sair vitorioso.   

 

"Eu aprendi que precisamos estar atentos o tempo todo. Eu não me abalei, continuei treinando e agora sou um lutador do UFC".   

 

A lição dessa luta ajudou não apenas a lidar com os aspectos de uma derrota, mas também a encarar o cancelamento de compromissos que o ajudaria a conquistar mais publicidade. Antes de entrar no UFC, Rafaello estava programado para enfrentar a estrela do Pride Takanori Gomi no Affliction, mas a luta nunca aconteceu. Ele então veio para o UFC e depois de sua estreia (derrota para Nik Lentz no UFC 103), ele iria encarar o ex-campeão do peso leve, Sean Sherk, no UFC 108, mas novamente a luta contra um grande nome não foi realizada.   

   

"Eu prefiro pensar que essas lutas não aconteceram porque não eram para acontecer. As pessoas dizem que se eu tivesse lutado e derrotado os dois, hoje estaria na corrida para disputar o cinturão no UFC. Eu não penso dessa forma, não penso no cinturão. Penso apenas que tenho muito trabalho a fazer para garantir meu lugar na categoria".  

  

Sua entrada no UFC ano passado trouxe a sua segunda derrota na carreira, uma decisão unânime para Lentz em setembro, e uma mudança de atitude para ele. Se contra Lentz, Rafaello só pensou em lutar sem parar por 15 minutos, contra John Gunderson, no UFC 108 em janeiro, ele voltou às raízes e veio com um plano estratégico para vencer a luta, mantendo a mesma intensidade.   

 

"A maior diferença foi ter um plano de jogo e estar calmo o suficiente para executá-lo. Eu não quero perder a impressão que havia deixado na minha estreia, mas queria a vitória. Sou muito crítico e acredito que posso sempre melhorar".   

 

A implementação do seu plano de vida inicial dá mais um passo no UFC nesta quarta-feira quando ele encara o nativo de Nottingham, Andre Winner. O inglês vem de uma vitória por nocaute no primeiro round sobre Roli Delgado, no UFC 105, e já declarou que ninguém na categoria tem chances trocando em pé contra ele.   

 

Para Rafaello, a luta faz parte do seu destino, já que ele estará substituindo o lesionado Cole Miller contra Winner. Sendo assim, o plano é executar seu jogo sem erros.   

 

"Winner é um excelente striker, ele quase venceu o TUF 9, o que lhe garantiu muita fama. Ele tem um alcance muito bom, mas a vitória será minha".