Skip to main content

Minotauro e Viscardi - Rótulos de vilão e super-ídolo

No TUF Brasil não adianta ser mocinho ou bad boy, o que realmente vale é dentro do Octógono  

Até que ponto determinadas atitudes estigmatizam uma pessoa? 

As ações numa edição do The Ultimate Fighter tomam proporções gigantescas, podem caracterizar o lutador, uma marca que o acompanhará por bastante tempo, talvez por toda a carreira. Na primeira edição do reality show do UFC realizada no Brasil, no ano passado, e nas 17 edições estrangeiras não faltou polêmica. O The Ultimate Fighter Brasil 2 segue o padrão.    Polêmica, discussão, conflito, dúvidas, desconfiança... Estes são alguns dos ingredientes comuns num reality show. Imaginem o desgaste emocional de 14 pessoas em busca do mesmo sonho, hospedadasSeria Viscardi um bad boy? na mesma casa, indivíduos que não estão acostumados a conviver, que têm que perder peso constantemente, treinar duro e, inevitavelmente, se enfrentar numa luta pra valer. É tenso, concordam? Tudo isso ajuda a esquentar os ânimos, influência todos os participantes desta jornada.     No The Ultimate Fighter Brasil 1, alguns momentos foram bem marcantes. Em um deles, Daniel Sarafian, do Time Belfort, quase foi às vias de fato com Renato "Babalú" Sobral, um dos treinadores da equipe comandada por Wanderlei Silva. O motivo: Sarafian teria comentado entre seus companheiros detalhes de treinos que fizera com Babalú no passado. Pressionado, Reneé Forte passou a história para o seu time, e o professor de wrestling do time azul entendeu que Daniel contava vantagem, achou desrespeitoso. Por isso, tratou de dar uma dura no lutador em rede nacional. Segundo Sarafian, tudo foi um grande mal entendido. Enfim, polêmica, discussão, conflito, dúvidas, desconfiança... Os nervos ficam a flor da pele no The Ultimate Fighter.     Outro fato marcante ocorreu no The Ultimate Fighter 8, em 2008, nos EUA, e teve dois brasileiros como protagonistas. Também como capitão na ocasião, Minotauro Nogueira se decepcionou com                      Vinny "Pezão" Magalhães. Vinny teria dito que foi melhor competidor de jiu-jitsu que Minota. O público, inclusive o brasileiro, que tem Minotauro como um ídolo, ficou desapontado com Vinny por um tempo. Minotauro, líder do time verdePezão diz que em nenhum momento quis dizer tal coisa, houve uma interpretação errada das suas palavras. 
Lembro tudo isso para chegarmos ao episódio 4 do TUF Brasil 2, o polêmico desabafo de Viscardi Andrade a Minotauro após nocautear seu pupilo, Thiago "Jambo" Gonçalves. O representante do Time Werdum não gostou de toda a situação que envolveu a troca de adversário, o fato de ter que cortar peso novamente e a volta de Jambo, com que já havia lutado e vencido na fase eliminatória, diga-se, numa das lutas mais disputadas. A "homenagem" ao Big Nog após o triunfo irritou o peso pesado e a discussão seguiu no vestiário. Será que provocar um ídolo incontestável caracteriza Viscardi como um "bad boy" do Octógono? Será que ter convocado Thiago Jambo foi uma opção justa de Minotauro? Existem sempre dois lados da moeda e, no final das contas, o público é quem define o certo e o errado, é uma análise de cada telespectador que, subjetivamente, interpreta os fatos.    O mais interessante do programa é que nada disso realmente importa. Independentemente de qualquer outra coisa, no TUF Brasil 2 o que realmente vale é ser o melhor dentro do Octógono. É o que vai definir o campeão. E, tenha certeza, ainda teremos muita confusão pela frente!