Skip to main content

A hora certa de Pat 'HD' Barry

 Por Thomas Gerbasi     

       

Vai ser uma noite muito comentada no meio do MMA, por anos e sem dúvidas será difícil de ser superada, mesmo pelo mais extrovertido dos guerreiros do octógono. Mas Pat Barry tem más notícias - a noite de sábado pode não ser a noite onde veremos sua versão de 'Techno Viking' em ação.     

       

"Eu disse que seria quando eu estivesse ao vivo na TV, mas eu não disse quando. Eu adoraria, mas esta luta é um grande salto e digo que eu não tenho praticado meus movimentos de dança. Então tenho que me certificar para não sair chorando da luta".      

       

É uma pena, mas do lado positivo, o que realmente importa, é o que acontece quando o sino tocar na noite de sábado, e quando Barry compete em sua primeiro co-evento principal no UFC contra o lendário striker Mirko Cro Cop neste fim de semana em Vancouver, nada menos do que uma guerra é o esperado. E Barry não poderia estar mais animado ... e nervoso.     

       

"Cro Cop é uma lenda viva e esse cara tem sido um dos meus heróis desde antes da minha carreira, não tinha sequer começado". Eu tinha um pôster dele na minha parede e ele estava na minha lista dos cinco primeiros caras que eu nunca gostaria de enfrentar na minha vida, porque ele é um dos caras mais temidos do mundo. Assim, o fato de que eu estou tendo a oportunidade de lutar e desafiar a mim mesmo contra ele significa que todo o trabalho duro e o sacrifício estão valendo a pena. Eu finalmente fiz algo bom o suficiente para ser colocado em uma posição onde o meu nome sendo usado junto com o nome dele, mas ainda tenho que me testar contra ele".     

       

Nos preparativos para a luta, Barry tem um enorme respeito pelo veterano croata. Na verdade, 'HD' é um grande fã da estrela do Pride e K-1, e isso nos leva a questionar se ele seria capaz de 'puxar o gatilho' na noite da luta. Barry coloca essas preocupações fora de questão.     

       

"Esse é o jogo ali. Você pode ser o maior de todos os tempos, não importa, se a coisa é baseada em ser derrubado com um soco na cara, eu quero ter certeza de que esse não sou eu. Eu tenho muito respeito, e eu sempre vou respeitá-lo, e é por causa desse medo e do respeito que eu vou socá-lo na cabeça. Eu sei do que ele é capaz e o que preciso para ter certeza de que é ele será atropelado, e não eu".      

       

Barry, 5-1 no MMA e 18-6-1 kickboxing profissional, entrou no UFC em 2008 e derrubou Dan Evensen com chutes nas pernas, balançou Tim Hague antes de ser finalizado, e, em seguida, ganhou os bônus de luta e nocaute da noite no UFC 104 contra Antoni Hardonk em outubro do ano passado. Ganhando ou perdendo, ele está trazendo emoção, e se ele bate em você, ele pode tirar você de lá. A luta contra Hardonk foi particularmente impressionante nesse sentido, a vitória foi muito emocionante para o lutador de 30 anos de idade.     

       

"Aprendi muito sobre mim mais do que qualquer coisa naquela luta. Eu amadureci muito naquela luta e fiel a estratégia, confiei em meu técnico, minha equipe e na minha preparação, e fizemos o que tínhamos que fazer nessa luta. Estou esperando reproduzir a sensação que tive naquela semana inteira que antecedeu a luta. Se eu puder fazer isso, eu sinceramente acredito que posso ser invencível".     

       

Invencível é uma palavra difícil em qualquer esporte, especialmente no MMA, e é por isso que Barry treinou muitas horas sob a tutela de Duke Roufus, que também preparou Ben Rothwell para enfrentar Cro Cop na luta que não aconteceu no UFC 110 na Austrália. Na verdade, Barry imitou o canhoto Cro Cop nos sparrings com Rothwell no início deste ano e descobriu algumas coisas que podem vir a calhar em Vancouver.     

       

"Eu fiz tudo com a mão esquerda, e fazendo isso fui capaz de ver uma série de aberturas e aprender um monte de coisas sobre mim e sobre ser canhoto", disse Barry. Uma coisa que ele não fará, é subestimar Cro Cop. E se você acha que ele está ouvindo aqueles que insistem em dizer que a maneira mais fácil de bater o croata é simplesmente fazê-lo andar para trás, pense novamente.     

       

"Já me falaram antes que existe uma estratégia certa ou um plano para ser usado de forma bem sucedida. Supostamente eu vou perder porque a maioria tem a impressão de que eu não faço Jiu-jitsu ou wrestling, e que se eu for pro chão, automaticamente sairei derrotado. Na luta contra o Hardonk, que foi para o chão por cerca de um minuto e meio, eu era o único na posição dominante. Eu não fui capaz de finalizar, mas também não perdi logo que caiu no chão. Cro Cop, se você faz ele andar para trás, ele vai perder? Eu ouvi a mesma coisa sobre a minha pessoa e nocauteie muitos caras quando eu estava andando para trás. (Risos) Muitos. Se o Cro Cop começar a andar para trás vai aumentar minhas chances de ganhar? Sim. Mas isso é uma vitória definitiva? Não".     

       

Você fica com a impressão de que Barry não quer uma vitória fácil. Ele quer se testar contra Cro Cop, ver onde ele está. Ele quer ganhar, e isso é mais importante do que performáticas caminhadas até o octógono. E a maneira como ele observa isso, dá a impressão que este é o momento perfeito.     

       

"Eu tinha seis lutas de MMA, três em um show local, e três no UFC e todas as lutas foram na parte de baixo do card, foi onde eu ganhei duas e perdi uma. E agora, a minha quarta luta no UFC é contra Mirko Cro Cop. É como ter três lutas de boxe em algum lugar em Chicago e duas lutas em sua carreira de verdade e você está lutando contra Mike Tyson. Quando eles me ofereceram a luta, eu imediatamente disse: 'espere um minuto, eu fiz algo errado?'(Risos) Então, é um grande salto, mas ao mesmo tempo, na hora certa".      

Por Thomas Gerbasi     

       

Vai ser uma noite muito comentada no meio do MMA, por anos e sem dúvidas será difícil de ser superada, mesmo pelo mais extrovertido dos guerreiros do octógono. Mas Pat Barry tem más notícias - a noite de sábado pode não ser a noite onde veremos sua versão de 'Techno Viking' em ação.     

       

"Eu disse que seria quando eu estivesse ao vivo na TV, mas eu não disse quando. Eu adoraria, mas esta luta é um grande salto e digo que eu não tenho praticado meus movimentos de dança. Então tenho que me certificar para não sair chorando da luta".      

       

É uma pena, mas do lado positivo, o que realmente importa, é o que acontece quando o sino tocar na noite de sábado, e quando Barry compete em sua primeiro co-evento principal no UFC contra o lendário striker Mirko Cro Cop neste fim de semana em Vancouver, nada menos do que uma guerra é o esperado. E Barry não poderia estar mais animado ... e nervoso.     

       

"Cro Cop é uma lenda viva e esse cara tem sido um dos meus heróis desde antes da minha carreira, não tinha sequer começado". Eu tinha um pôster dele na minha parede e ele estava na minha lista dos cinco primeiros caras que eu nunca gostaria de enfrentar na minha vida, porque ele é um dos caras mais temidos do mundo. Assim, o fato de que eu estou tendo a oportunidade de lutar e desafiar a mim mesmo contra ele significa que todo o trabalho duro e o sacrifício estão valendo a pena. Eu finalmente fiz algo bom o suficiente para ser colocado em uma posição onde o meu nome sendo usado junto com o nome dele, mas ainda tenho que me testar contra ele".     

       

Nos preparativos para a luta, Barry tem um enorme respeito pelo veterano croata. Na verdade, 'HD' é um grande fã da estrela do Pride e K-1, e isso nos leva a questionar se ele seria capaz de 'puxar o gatilho' na noite da luta. Barry coloca essas preocupações fora de questão.     

       

"Esse é o jogo ali. Você pode ser o maior de todos os tempos, não importa, se a coisa é baseada em ser derrubado com um soco na cara, eu quero ter certeza de que esse não sou eu. Eu tenho muito respeito, e eu sempre vou respeitá-lo, e é por causa desse medo e do respeito que eu vou socá-lo na cabeça. Eu sei do que ele é capaz e o que preciso para ter certeza de que é ele será atropelado, e não eu".      

       

Barry, 5-1 no MMA e 18-6-1 kickboxing profissional, entrou no UFC em 2008 e derrubou Dan Evensen com chutes nas pernas, balançou Tim Hague antes de ser finalizado, e, em seguida, ganhou os bônus de luta e nocaute da noite no UFC 104 contra Antoni Hardonk em outubro do ano passado. Ganhando ou perdendo, ele está trazendo emoção, e se ele bate em você, ele pode tirar você de lá. A luta contra Hardonk foi particularmente impressionante nesse sentido, a vitória foi muito emocionante para o lutador de 30 anos de idade.     

       

"Aprendi muito sobre mim mais do que qualquer coisa naquela luta. Eu amadureci muito naquela luta e fiel a estratégia, confiei em meu técnico, minha equipe e na minha preparação, e fizemos o que tínhamos que fazer nessa luta. Estou esperando reproduzir a sensação que tive naquela semana inteira que antecedeu a luta. Se eu puder fazer isso, eu sinceramente acredito que posso ser invencível".     

       

Invencível é uma palavra difícil em qualquer esporte, especialmente no MMA, e é por isso que Barry treinou muitas horas sob a tutela de Duke Roufus, que também preparou Ben Rothwell para enfrentar Cro Cop na luta que não aconteceu no UFC 110 na Austrália. Na verdade, Barry imitou o canhoto Cro Cop nos sparrings com Rothwell no início deste ano e descobriu algumas coisas que podem vir a calhar em Vancouver.     

       

"Eu fiz tudo com a mão esquerda, e fazendo isso fui capaz de ver uma série de aberturas e aprender um monte de coisas sobre mim e sobre ser canhoto", disse Barry. Uma coisa que ele não fará, é subestimar Cro Cop. E se você acha que ele está ouvindo aqueles que insistem em dizer que a maneira mais fácil de bater o croata é simplesmente fazê-lo andar para trás, pense novamente.     

       

"Já me falaram antes que existe uma estratégia certa ou um plano para ser usado de forma bem sucedida. Supostamente eu vou perder porque a maioria tem a impressão de que eu não faço Jiu-jitsu ou wrestling, e que se eu for pro chão, automaticamente sairei derrotado. Na luta contra o Hardonk, que foi para o chão por cerca de um minuto e meio, eu era o único na posição dominante. Eu não fui capaz de finalizar, mas também não perdi logo que caiu no chão. Cro Cop, se você faz ele andar para trás, ele vai perder? Eu ouvi a mesma coisa sobre a minha pessoa e nocauteie muitos caras quando eu estava andando para trás. (Risos) Muitos. Se o Cro Cop começar a andar para trás vai aumentar minhas chances de ganhar? Sim. Mas isso é uma vitória definitiva? Não".     

       

Você fica com a impressão de que Barry não quer uma vitória fácil. Ele quer se testar contra Cro Cop, ver onde ele está. Ele quer ganhar, e isso é mais importante do que performáticas caminhadas até o octógono. E a maneira como ele observa isso, dá a impressão que este é o momento perfeito.     

       

"Eu tinha seis lutas de MMA, três em um show local, e três no UFC e todas as lutas foram na parte de baixo do card, foi onde eu ganhei duas e perdi uma. E agora, a minha quarta luta no UFC é contra Mirko Cro Cop. É como ter três lutas de boxe em algum lugar em Chicago e duas lutas em sua carreira de verdade e você está lutando contra Mike Tyson. Quando eles me ofereceram a luta, eu imediatamente disse: 'espere um minuto, eu fiz algo errado?'(Risos) Então, é um grande salto, mas ao mesmo tempo, na hora certa".