Skip to main content

Cristiano Marcello - Mesclando experiência e empenho para voltar a vencer

"Ele é um cara que busca a finalização, mas não acredito que tenha jogo para me surpreender assim. Ele busca sempre a guilhotina e, claro, numa luta tudo pode acontecer. Mas, se ele quiser levar para o chão, na verdade vou agradecer a ele." - Marcello

Cristiano Marcello é um atleta com história no mundo das lutas. Treinou ao lado de ícones como Wanderlei Silva e Maurício Shogun, lutou em grandes eventos e participou do reality show do UFC, o TUF. No dia 13 de outubro, no UFC Rio 3, Cristiano terá outro grande desafio na sua vida. Contra Reza Madadi, o faixa-preta de jiu-jitsu entra em ação diante da sua torcida, em um card com lendas como Anderson Silva e Rodrigo Minotauro.      

"Lutar no UFC Rio é a realização de um sonho. Acho que sou o único cara no mundo que já lutou no Pride, no UFC e que participou do TUF. Estar no maior evento do planeta, no Rio, isso é mais um diamante na minha vida!", comemora.    
  Vindo de revés no TUF 15 Finale, sua estreia na organização, Cristiano (12v-4d) terá um adversário com características parecidas pela frente. Com 12 vitórias e duas derrotas, iraniano radicado na Suécia, Madadi já finalizou em sete oportunidades.  
   "Ele é um cara que busca a finalização, mas não acredito que tenha jogo para me surpreender assim. Ele busca sempre a guilhotina e, claro, numa luta tudo pode acontecer. Mas, se ele quiser levar para o chão, na verdade vou agradecer a ele.  
  "Hoje todos que estão no UFC são atletas perigosos, vou entrar focado. O Madadi é um cara que vem do wrestling e não tem a trocação na veia. Não acredito que ele tenha mudado tanto da sua última luta para esta. Em algum momento ele vai querer me agarrar."  
   Cristiano é carioca, mas há anos está radicado em Curitiba, onde comanda a equipe CM System. Depois de uma temporada nos EUA, quando participou do TUF, Marcello está feliz por voltar às raízes.      

"Tive a experiência de participar do TUF, nos Estados Unidos, algo diferente de tudo que já fiz. Era um material incrível de atletas, mas foi difícil me adaptar a todo o modo de treinamentos que eles fazem, é bem diferente. Isso me deixou com muita vontade de, agora, fazer tudo o que não vinha fazendo, me deixou mais motivado", diz. "Todo o trabalho foi em Curitiba e acho que nunca me preparei tão bem. Conto com um time excelente de strikers, com feras como o Bruno Carvalho, que também quer seu espaço no UFC. No wrestling tenho o Marcelo Zulu e no jiu-jitsu o Ocimar Costa, que é um faixa-preta formado por mim", conclui.    
 Para conseguir a primeira vitória no UFC, nem mesmo em casa Marcello descansou. Seu lar se tornou uma academia, um reduto para ficar mais afiado.
      "Fiz toda a parte de treinamento funcional em casa, montei um quarto do pânico! Agora há pouco, antes de falar com você, estava dando uma suada aqui em casa. É bom, inclusive, para o meu psicológico. Fico olhando aqui e lembrando tudo o que ralei para esta luta, isso me motiva."
    Na última apresentação, Cristiano saiu das suas características, preferiu a trocação ao jiu-jitsu e acabou nocauteado contra Sam Sicillia. No Rio, o lutador espera uma apresentação diferente, em todos os sentidos.      

"Em toda a minha carreira, enfrentei strikers. Esta é uma das poucas vezes que terei um cara que prefere agarrar. Mesmo assim, venho fazendo muitas aulas de muay thai. Na verdade, sempre tive contato, mas no treinamento do MMA como um todo, misturando as modalidades. Venho me especializando mais neste sentido. Isso não quer dizer que vou buscar a trocação, mas a luta começa em pé e temos que estar preparados para tudo."  
 O UFC Rio 3 terá todo o card transmitido pelo canal Combate, com o a luta principal na TV aberta, através da Globo.